top of page

Viagem para a Serra Gaúcha!

Olá Pessoal, tudo bem com vocês?

Recentemente estive no Sul do país e neste post vou compartilhar com vocês algumas dicas e sugestões para quem tem curiosidade ou quer conhecer mais sobre esta linda região do nosso país.

Comecei a viagem chegando via Porto Alegre, aluguei um carro e fui direto para Flores da Cunha, que fica por volta de 2h30 da capital.

Me hospedei no Hotel Letto - Flores da Cunha, que fica há 5 minutos do centro e perto de quase todas as vinícolas. As tarifas variam de R$200 a R$300 a diária com café da manhã e estacionamento no local. O Hotel foi recentemente reformado, é limpo e seguro.


Primeira Vinícola que sugiro a visita: Luiz Argenta

Os irmãos Deunir e Neco, filhos de Luiz Argenta, adquiriram a propriedade da antiga Granja União em Flores da Cunha/RS, onde foram plantadas as uvas viníferas que deram origem aos primeiros varietais de vinhos finos do Brasil, desde 1929. Um terroir reconhecido pela suas excelentes características para a produção de vinhos do Brasil, originando produtos de excelente qualidade.

É sem dúvida uma das vinícolas mais bonitas que visitei até hoje, o Enólogo é o Edegar Scortegagna, considerado um dos melhores enólogos do país em 2020.

Almocei no Clô restaurante, um almoço com 5 tempos entre entrada, pratos salgados e sobremesa, valor de R$139/pessoa e necessita reserva. A bebida é a parte, destaco o Cabernet Franc, o Syrah e o Sauvignon Blanc (esses dois últimos você encontra em nosso portfólio).

Em seguida fui para a visitação guiada, com direito a 4 provas de vinhos e visita pela produção e cave subterrânea no valor de R$ 70,00/pessoa.



Recomento muito a visita, vale cada centavo, pois foi uma experiência única.


Outra vinícola que vale a pena visitar é a Família Bebber:


Uma união entre a tradição familiar no setor vitivinícola e o caráter de inovação, que nasce com uma nova geração. A ideia de viver do vinho foi longamente amadurecida pelo enólogo Felipe Bebber e, juntamente com seu pai, Valter, e irmão, Rafael, deu início à retomada desse sonho, deixado no tempo pelos avós vitivinicultores. Buscando o melhor de cada terroir no estado do Rio Grande do Sul, a vinícola, ainda jovem, já mostrou que seus vinhos possuem uma identidade única. Ganhadora de muitos prêmios nos últimos anos, foi eleita pela Grande Prova de Vinhos do Brasil a Vinícola Revelação de 2016, e o Melhor Tannat do Brasil, em 2017, com outros vinhos e espumantes repletos de medalhas. A proposta da Família Bebber é fazer vinhos que caiam no gosto do consumidor brasileiro, jovens, leves e elegantes. Mesmo os mais estruturados, segundo o enólogo, devem seguir essa vocação, com acidez e corpo equilibrados.

Enólogo Felipe Bebber, considerado um dos enólogos revelação dos últimos anos.


A vinícola possui também um winebar que funciona de sexta a domingo, em que você pode apreciar o por do sol e beliscar uma tábua de frios com seu vinho favorito.

A degustação guiada custa R$70,00 e você pode converter o valor em compras de vinhos. Também é necessário reservar para poder visitar.

Destaco o Maragato, ícone da vinícola, um corte de Merlot | Cabernet Franc | Touriga Nacional | Malbec | Marselan | Tannat.

Como melhor custo benefício, destaco a Linha Almejo e o Reserva Cabernet Franc, que você encontra em nosso portfólio.


Outra grande surpresa positiva em questão de vinhos foi a Vinhos Fabian:

A família imigrou da Itália para o Brasil no final do século dezenove. A tradição vitivinícola herdada dos ancestrais foi favorecida pelo clima encontrado na região dos Vinhos dos Altos Montes, no município de Nova Pádua (20 min distante de Flores da Cunha), na Serra Gaúcha. A localização entre colinas de 780m de altitude, proporciona amplitude térmica, fator relacionado a uma boa formação de componentes que determinam a qualidade do vinho.

A paixão pela produção de uvas e vinhos, fez com que a família elaborasse no ano de 1985, a primeira safra da vinícola.


Destaco o Merlot, o Cabernet Sauvignon e o Chardonnay como vinhos destaques.

Fui super bem atendida pelo um dos donos, o Giovani Fabian, não precisou de reserva e ele me serviu todos os vinhos da vinícola.


Partindo para Bento Gonçalves, no Vale dos Vinhedos (distante 1h30 de Flores da Cunha), fiquei no Slim Hotel, o famoso BBB, super bem localizado, barato, limpo e seguro.

Não visitei as vinícolas mais comerciais, pois quem me acompanha aqui sabe que o nosso foco é vinícolas Boutique, Familiares e Artesanais.

Primeiro destaque vai para a Vinícola recém inaugurada: Cave do Sol.

A vinícola possui uma longa história, desde 1927, que começou com Giuseppe Passarin e Caterina Bitto. Hoje são Arnaldo e Arlete Passarin, juntamente com seus filhos, que cultivam a paixão pelo vinho e representam esta longa trajetória. O complexo do Vale dos Vinhedos foi inaugurado em Setembro de 2020.

A vinícola é toda inspirada pelo Sol, veja o lema que está na frente da vinícola, logo quando você entra:

"Todos os dias ele volta, nos trazendo luz, calor e vida.

Divide em ciclos o nosso tempo: dias, meses, anos.

Além de vivificar a Terra, o brilho do sol manifesta o que é material.

Renova a energia das pessoas, da natureza, do mundo.

É graças a ele que as videiras cultivadas se multiplicam,

em quase um século de história.

Se o vinho já está no DNA, legado dos ancestrais,

o sol é o propulsor dessa paixão."



É uma vinícola muito moderna, de extremo bom gosto e aposto que nos próximos anos ela se tornará uma grande referência no Vale dos Vinhedos.

Existem vários tipos de experiência para conhecer, eu fiz a "Essência" O que inclui:

- Visita guiada

- Degustação na Vinheria

- 05 rótulos selecionados das linhas Solar do Vale e Cave do Sol

- Taça de cristal exclusiva

R$70,00/pessoa e precisa reservar.

Destaco o Tannat e o espumante método tradicional Brut branco.


Saindo um pouco de Bento Gonçalves, destaco a Vinícola Don Guerino, que fica em Alto Feliz, distante 40 min de Bento.

Você não faz ideia do que é essa vinícola até visita-la. Extremamente moderna, bonita e com vinhos sensacionais.


Localizada em Alto Feliz, na Encosta Sul da Serra Gaúcha, a Don Guerino é formada por vitivinicultores da quarta e quinta geração de origem trentina, vindos do norte da Itália, em 1880. A vinícola familiar dispõe de 60 hectares de vinhedos próprios, em um terroir único e privilegiado, localizado a 450 metros de altitude, que surpreende os visitantes em um cenário de beleza única. De estilo contemporâneo, o projeto edificado em 2007 contempla toda linha de elaboração de vinhos, restaurante e Wine Store.

Não teve um vinho que tenha tomado que não tenha gostado, todos são absurdamente bons. Destaco o Chardonnay, Teroldego, Sauvignin Blanc e o Malbec (convido a olhar nosso portfólio, que tem diversas opções desta vinícola)

O restaurante funciona somente de sábado e está com as reservas esgotadas até agosto, porém tive a honra de ser convidada pela família para almoçar lá. Um almoço harmonizado, que ouso dizer, um dos melhores da vida.



Tive a honra também de conhecer o Bruno Motter, Enólogo da família.


A visita guiada dura em torno de 40 min, você degusta 5 rótulos, ganha taça de cristal e custa R$80,00.

Vale cada centavo.


Outra vinícola que destaco pelos excelentes vinhos, é a Vinícola Calza.

Localizada em Monte Belo do Sul, distante 10 min do Vale dos vinhedos, é uma vinícola bem pequena, familiar e artesanal.

A história começa em 1889 com a chegada dos imigrantes italianos da família que iniciaram o cultivo de videiras trazidas da Itália e produziam seus próprios vinhos para consumo da família e amigos. Antoninho Calza manteve a tradição na arte da vitivinicultura e em 1995 criou a Vinícola Calza. Essa vinícola familiar possui excelentes e premiados vinhos e espumantes com destaque para a linha Ouro Negro.

É tocada pelo Pai e pelo Filho, o Junior Calza, que me recebeu na vinícola.

As uvas que destaco são as italianas Bonarda, Nebbiolo e Sangiovese, que você não encontra nas outras vinícolas e eles produzem vinhos impecáveis com essas uvas.

Outro destaque é o Chardonnay, amadurecido em carvalho Esloveno, único!

Sua produção é bem pequena, cerca de 600 garrafas por lote. Vale a pena experimentar antes que acabe.


Esses foram meus destaques dessa viagem, logo menos coloco a parte 2, com outras novidades!

Caso você queira ir para o Sul também, recomendo fazer as reservas das vinícolas que deseja ir, para não correr o risco de ficar sem. A maioria das vinícolas encerra seu expediente por volta das 17h, então programe seu dia para começar cedo.

Além disso, recomendo não fazer mais que 3 vinícolas por dia, para aproveitar melhor e não correr o risco de "estragar" seu final de dia. Lembre-se, beba pouco, com qualidade e com MUITA água.

Por fim, sempre que for fazer suas refeições, opte pelos pratos "a la carte" pois a maioria trabalha com festival de massas, o que em um primeiro momento parece atraente, mas não se engane, é MUITA comida. No meu caso, se eu comesse o festival, não iria aguentar fazer as visitações com os vinhos ao longo do dia.


Vou ficando por aqui, para saber mais é só me seguir lá no Instagram: @casahessel_vinhos


Cheers!


Camila Hessel



60 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page